sábado, 16 de outubro de 2010

Lady Susan - Carta 5 em Português

Lady Susan a Sra. Johnson
Churchill

Recebi sua carta, minha querida Alicia, pouco antes de sair da cidade, e alegro-me em ter certeza de que o Sr. Johnson não suspeitou nem um pouco do seu engajamento na noite anterior, é sem dúvida melhor para enganá-lo inteiramente, e já que ele é teimoso, ele deve ser enganado.
Eu cheguei aqui em segurança, e não tenho nenhuma razão para reclamar da minha recepção por parte do Sr. Vernon, mas confesso não estar igualmente satisfeita com o comportamento da sua dama. Ela é perfeitamente bem-educada, de fato, e tem o ar de uma mulher da moda, mas seu modos não podem convencer-me de que ela estava predisposta a meu favor. Eu esperava que ela ficasse feliz em me ver, fui tão amável quanto possível na ocasião, mas tudo em vão.
Ela não gosta de mim. Obviamente, se levarmos em conta os esforços que fiz para evitar que o irmão de meu marido se casasse com ela, esta falta de cordialidade não é de surpreender. Ainda assim, mostra um espírito excessivamente vingativo ao ressentir-se por um plano que influenciou-me há seis anos, e que acabou fracassando.
As vezes quase me arrependo de não ter permitido que Charles Vernon comprasse a mansão Vernon quando tivemos de vendê-la. Porém foi uma situação difícil, especialmente porque a venda se deu na mesma ocasião de seu casamento, todos deveriam suportar a delicadeza de meus sentimentos, que não poderiam permitir que a dignidade de meu marido fosse rebaixada pelo fato de seu irmão mais novo ficar com as propriedades da família.
Se tivéssemos chegado a um acordo que evitasse a obrigação de deixar a mansão, se pudéssemos ter vivido com Charles sem que ele tivesse se casado, eu jamais teria convencido meu marido a vende-la a outro. Mas Charles estava decidido a casar-se com a Srta. De Coursy e esse evento justificou-me.
Aqui há muitas crianças, e que vantagem teria sido para mim sua compra por parte do Sr. Vernon? Ter evitado isso talvez tenha causado uma má impressão em sua esposa, porém, quando há uma predisposição a empatia, é fácil encontrar uma razão. No que diz respeito a questões de dinheiro, o acontecido nunca foi um empecilho para que ele me ajudasse. Na verdade tenho muita consideração com ele. É tão fácil abusar dele! A casa é muito boa, os móveis todos na moda, e tudo anuncia abundância e elegância. Charles é muito rico tenho certeza, quando um homem consegue ter seu nome em uma agência bancária, é porque tem rolos de dinheiro. Mas eles não sabem o que fazer com ele, recebem pouquíssima visita, e nunca vão para Londres a negócios. Serei tão estúpida quanto possível, isto é, para conquistar o coração de minha cunhada por meio das crianças. Eu já sei os seus nomes e estou ganhando o seu carinho com a maior sensibilidade, um em especial, o jovem Frederic, que se senta em meu colo enquanto suspiro por seu querido tio.
Pobre Manwaring! Não é preciso dizer o quanto eu sinto falta dele e como está constantemente em minha mente. Encontrei uma carta triste dele em minha chegada aqui, cheia de reclamações de sua esposa e irmã, e lamentações sobre a crueldade do seu destino. Ele assinou a carta como sendo sua esposa. E quando eu escrevo para ele, devo ser coberta
por você.
Sempre sua,
S. Vernon

Autora: Jane Austen
Traduzido por: Bruna Tavares

3 comentários:

Marie Jo disse...

Olá amiga,
Dá uma olhada no meu blog, mandei uma mensagem para o Avon sobre venderem os livros da Jane Austen, seria legal se mais pessoas enviassem, quem sabe conseguimos alguma coisa, já que nas livraris e sebos é um pouco difícil de achar, no Avon talvez seja mais acessível. Já que eles estão com um livro da Emily Brontë em campanha, nao custa tentar. Beijos,
Marie

Bruna Tavares disse...

Valeu pela iniciativa Marie Jo! Vou seguir seu exemplo.

dricatavares.bnu disse...

Estou muito curiosa para saber como vai terminar essa intrigante estória. Essa lady Susan hein!!!

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...